FLASH FICTION

DESTAQUES

 

FLASH FICTION

DROPS RECENTES

Dos nomes que damos aos filhos

Doriana odiava seu nome porque era nome de manteiga. Ficava pensando se na época que nasceu já existia a manteiga e se a mãe tirou dali, ou de um filme, ou de um livro, ou de uma amiga ou tia distante, mas nunca perguntou, que fazia parte do mistério de como ela tinha surgido e de como tinha surgido aquilo, o nome, que definia quem você seria e como reagiria a certas coisas. Todo mundo na esc...

Vontade é coisa mambembe

Sempre que passava um circo pela cidade lá tava o seu Valdivo pendurado na grade, a silhueta da roupa dele recortada pelas luzes coloridas, as costas bem retas, a cabeça de um lado pro outro, seu fiel hipopótamo parado do lado, olhando pra dentro também. Os dois largavam a carroça empinada no chão e respiravam aquilo, mergulhavam os olhos naquela atividade barulhenta e viva do circo, de long...

A balada do óleo de soja

Já tá saindo aí, Márcia?

Já, já, seu Robson. Um minutinho.

Na gordura as minúsculas coxinhas e bolinhas de queijo e quibes e pastéis vão ganhando cor, consistência. O cheiro é sufocante, dane-se a touca e o avental. É coisa que sempre penetra nas grutas da pele.

Todo dia compro um cigarro, um só, na distribuidora perto de casa, e deixo pra fumar entre o encerramento dos pedid...

FLASH FICTION

SOBRE

Ficção em drops | fareloescrita | nanoprosa.
De conversas de boteco a universos paralelos, de casos indecifráveis à análise do sorriso de um dragão banguela, cada drop do FLASH FICTION é uma viagem ficcional única e radioativa, digerível em um minuto ou dois, sem contraindicação.
Novas publicações toda quarta-feira.

SANTIAGO SANTOS é escritor, tereréficionado, tradutor e jornalista. Mora em Cuiabá – MT e publicou seu primeiro livro em 2016, Na Eternidade Sempre é Domingo, uma aventura pé na estrada carregada da história e da mitologia dos Incas, além de contos diversos universo literário afora.