O gatilho improvável de Tetsumi

Ela entrou no quarto, fechou o shoji atrás de si, caminhou até a vela e cobriu a chama. Sentou e aguardou, a fumaça espiralando.

Hideyoshi entrou minutos mais tarde, abrindo o shoji com violência. Ela sentiu o cheiro forte de saquê. Concluiu que só teria o que queria depois, respirou fundo e desatou o obi. As mãos de Hideyoshi entraram rápidas e desajeitadas sob as camadas do kimono, e ...

 

A formidável moldura do indizível

Um sonho tem me atormentado nos últimos tempos. Sinto uma repulsa inexplicável pelo conceito e não consigo parar de confrontá-lo no subconsciente. Começa com a imagem de um homem sentado diante do computador em um escritório escuro, escrevendo e escrevendo. Ele acorda, come, senta e começa. Vira e mexe lê um livro. Assiste algo na mesma tela quando para pra almoçar, normalmente coisa ráp...

 

O mastigar da terra esfomeada

Marvin, o Caolho, chegou à cidade escondido em um navio mercante. Na sua primeira noite em terra firme, depois de umas cervejas, falou a João e Moacir do seu baú e de como pagou um dos estrangeiros do porto pra ajudar a escondê-lo e de como enfiou uma faca em suas costas e torceu até o homem parar de gritar. O resto da noite passou considerando o que compraria primeiro com o que conquistou em...

 

« Carregar mais postsPosts mais recentes »