Junção exoesquelética da ferrovia

Cerpin ainda sentia a morfina correndo no sangue. Lembrava de mastigar bolinhas pretas e de buscar refúgio nas páginas de um livro.

Empurrou a tampa do cockpit, amebas gigantes pulsando em toda a extensão, expurgando o ar venenoso da viagem. As aranhas se desentrelaçaram, desfazendo a camada do assento, afundando-o na estrutura óssea, vértebra primordial que o acolhera. Sentiu algo escala...

 

Areiaiera

O copo enche, milimétrico. Cabeça na areia, boca aberta, a garoa umedecendo os grãos sobre os dentes, a gengiva, a língua. Quando pesa nas pálpebras e escorre em grandes gotas, Pietro abre os olhos. Ao redor chicotadas de vento, manada de nuvens movidas a contra-gosto, picos macios de dunas em sucessão desordenada.

Nota o copo no chão, já na metade. O gole arde, traqueia em brasa, respi...

 

Alvariomano [#189]

O mercado brota na esquina.

Encontro Alvariomano na prateleira de temperos exóticos, entre a pimenta com gergelim e o molho shoyu. Não parece grande coisa tão pequeno, mas já possui aquela voz irrecusável que massacra qualquer fagulha de livre arbítrio. Pergunto pro moço se é o único que tem em estoque e o próprio Alvariomano responde com um grave que faz escorrer cera do ouvido: voc...

 

« Carregar mais postsPosts mais recentes »