Do tempo que resta

Capitão, estamos a meia hora da terra.

Ótimo, Rosvaldo. Diga aos homens pra manterem a velocidade. Avise Fena que é hora. Peça pra ela arrumar suas tralhas e me encontrar na cabine.

Sim, senhor, capitão.

Quando Rosvaldo desapareceu, o capitão se permitiu afrouxar o peito, desguarnecer os músculos da perna, arquear os ombros e olhar o borrão azul que se espraiava à frente. Moleque...

 

Eles chegaram, senhora. Peço pra entrarem?

O trote é ritmado, a estrada lisa, e não fossem as cãibras nas pernas e as dores na bunda seria bem possível dormir aqui em cima. Nossos cavalos seguem devagar, as rodas da carroça guinchando vez ou outra.

— Depois dessa curva fica a cidade dos cachorros, Nelson. Aí são mais umas duas horas até a capital.

— Então só mais duas horas prum banho quente e uma cama macia.

— Se ...

 

Baldo e a sola furada

Baldo se abaixou, deitando a palma da mão na terra.

É, tá quente, seu Ferreira. Não te falei? É essa terra amaldiçoada. Sabe, o senhor pode não tá tão longe da verdade. Cadê o seu filho?

O homem foi buscar o filho na casa. O garoto veio, apoiado em duas muletas, um dos pés enfaixado. Baldo observou a palidez do moleque, usando um macacão sem camisa por baixo, todo suado. Me conta...

 

« Carregar mais posts