Um álbum com seis sobrenomes

Olha, Mariana. É Mariana, né?

Marina, dona Inês.

Marina, isso. Então. Acho que foi o contrário. Na verdade eu amei foi demais. Só que vem a vida, sabe, fazendo aquelas curvas fechadas. Também ajuda que nos antigamentes, casar era regra. Era o normal a se fazer se você se enrabichava com homem. Não era essa facilidade que é hoje não.

Será que a senhora pode me contar como foi c...

 

Suzinha tem sono pesado, mas não tanto

Acordei e vi o copo de leite e as bolachas que mamãe deixou na mesa antes de sair. Ela disse ontem à noite, sentada na beira da cama, que precisava acordar muito muito cedo pra ir no médico. Não tinha com quem deixar a Suzana, minha irmãzinha, então eu ia faltar a escola pra ficar em casa e cuidar dela.

Mamãe já tinha falado desse médico antes. Não pra mim, pra Margarida, a melhor ami...

 

Certas histórias se resolvem assim, do nada

Pego o Oleg, fumando um cigarro na escadaria da varanda de casa. Ele traz duas latas de refri.

— Salve, Oleg — digo. — Valeu.

— Tranquilo. Fui no mercado hoje cedo. Tô fofo.

— Cara, cê vai ter que me descolar um trampo massa desse. Tô sempre duro.

— Ninguém mandou virar escritor.

Ele liga naquela rádio comunitária que ainda resiste, do CPA. Tá rolando um The Doors...

 

« Carregar mais posts