Vontade é coisa mambembe

Sempre que passava um circo pela cidade lá tava o seu Valdivo pendurado na grade, a silhueta da roupa dele recortada pelas luzes coloridas, as costas bem retas, a cabeça de um lado pro outro, seu fiel hipopótamo parado do lado, olhando pra dentro também. Os dois largavam a carroça empinada no chão e respiravam aquilo, mergulhavam os olhos naquela atividade barulhenta e viva do circo, de long...

 

A balada do óleo de soja

Já tá saindo aí, Márcia?

Já, já, seu Robson. Um minutinho.

Na gordura as minúsculas coxinhas e bolinhas de queijo e quibes e pastéis vão ganhando cor, consistência. O cheiro é sufocante, dane-se a touca e o avental. É coisa que sempre penetra nas grutas da pele.

Todo dia compro um cigarro, um só, na distribuidora perto de casa, e deixo pra fumar entre o encerramento dos pedid...

 

Da permanência da terra

O primeiro serviço de Rúbio para a construtora Mariny foi avaliar o terreno aos pés de um antigo edifício de nove andares no centro de São Paulo, na região da Sé. Vários incidentes confluíram para jogar seu preço lá embaixo, nos estertores da tabela imobiliária, incluindo arranca-rabos entre moradores que tornaram rotineira a visita da polícia, desabamentos no último andar, locatári...

 

« Carregar mais posts