Dos Rios Que Correm Negros

Toninha da Folha ergueu a mão. Jogou o facão na terra, a madeira suada do cabo apontando o céu, correu pro rio e se agachou pras necessidades. Jão Chicote, que gostava de ver a mulher agachada, seguiu. Quando bateu os olhos na água não viu Toninha. Olhou ao redor, gritou o nome uma, duas vezes, andou no meio dos escravos, os olhos querendo saltar na garganta de quem lhes cruzasse, dizendo pr...

 

Castelo

Ele sai da cabana, olha as árvores, parece que olha pra mim mas sei que não me enxerga no meio dos arbustos e das folhas, espreguiça os braços, coça a barba, mija pela cerca no fosso e volta pra dentro. Logo a fumaça sai pelo buraco no teto e se o vento bate na minha direção, como agora, carne assada escala meu nariz e coça meus dentes. O estômago é obrigado a se contentar com o caju qu...

 

Judeuzinho

Levanta, ele diz. Eu me esforço mas pareço feito de, e até enfio os dedos na terra pra ajudar e não. Ele percebe, me apanha pelo sovaco e me ergue de, e dói mas eu sinto que reclamar é à toa e me sinto muito. Quando fico de pé percebo que ele olha meu ombro desconcer, a mão ainda aberta, o osso que cabe com folga na palma e é tudo o que sobrou embaixo da. Vira, as botas rasgando os pedre...

 

« Carregar mais posts