Colibri

  • 18 de agosto de 2015
  • Categoria: Fantasia

Onde você tá indo, Colibri? Não, sério, não entra aí. Eu não posso ir atrás de você, sou muito grande. Se acontecer alguma coisa contigo não posso fazer–

Poxa vida, Colibri. Falar com você e soprar o vento dá na mesma. Pelo menos me fala o que você tá vendo. Peludo? Mas isso aqui é uma estátua. Estátua não é feita de gesso? Quente? Ah, deve ser o mormaço do porão que tá mais forte aí dentro. Pega um sol bravo no tablado lá em cima o dia todo. Agora? Deve ser meio-dia. Eu não sei.

Eu também não. A gente tá indo pra América. Agora qual delas não faço ideia. Pode ser uma das ilhas do meio. Eu prefiro que seja uma da ilhas do meio. Se for a costa, tanto de cima quanto de baixo, não sei. Tenho medo, é muita terra. Quero uma ilha. Mais natureza. Tô cansado de cidade, de barulho. Eu sempre pensei em viver em ilha. Água de coco e praia. Imagina.

Pegajoso? Desce daí, Colibri. Tô falando que não é pra andar aí dentro. Vai que uma aranha gigante fez uma teia e você tá pisando nela? Eu não passo por esse buraco. Você vai ser comido pedacinho por pedacinho e eu não vou poder fazer nada. Não, não. Não tô ouvindo barulho nenhum. Nem sinal de marujo. Acho que não. A gente toma tão pouco. Quase não mexe a linha do barril. Eles só vão procurar se sentirem falta de alguma coisa. Até parece, Colibri. Eu como pouco. Você só belisca o queijo. Fica tranquilo.

Que foi? A sua pata não quer desgrudar? Colibri? Colibri, fala comigo. Que aconteceu aí? Puta merda, Colibri, eu te avisei! Eu avisei que você ia se ferrar. Esse nariz é pequeno demais. Deixa eu ir na orelha. Tá me ouvindo? Colibri, responde! Seu desgraçado. Não me deixa aqui! Puta merda. Você não tem braço pra jogar canastra mas é melhor que nada! Eu não vou guentar sozinho! Colibri! Responde! São dois meses de viagem, não passaram nem duas semanas ainda! Colibri, seu rato filho da puta. COLIBRI!

Ah, não. Entraram aqui. Eles entraram.

- … não tava ouvindo? Parecia alguém aqui embaixo, alguém gritando. Só o que faltava, um clandestino. Isso aconteceu com o capitão uns anos atrás. Tô te falando. Depois de um mês o sujeito resolveu sair do porão e matou três da tripulação antes que pegassem ele. Poisé. Fica com a faca na mão. Vai saber. Não. Dentro da estátua não. Nem chega perto disso aí. Se acontecer alguma coisa com esse troço o capitão mata a gente. Tá sentindo? Esse cheiro? Tem gente aqui sim, isso é cheiro de bosta. Vem cá, ali atrás do caixote, olha. Você empurra, eu fico aqui na ponta e a gente encurrala ele. Vai. Porra! Meu Deus! Olha aqui! Olha isso aqui! Tem um macaco aqui dentro! A porra de um macaco! Pega ele. Não, ele não vai fazer nada. Vai. Claro que não. A mão da estátua mexendo? Tá maluco? Para de inventar desculpa. Vai. Não tem nadghhhhhhhh.

Colibri? Foi você que matou eles? Você tá controlando a estátua? Colibri? Lembra que sou seu amigo. Seu melhor amigo. Colibri?