Empreendedor [#04]

  • 25 de junho de 2014
  • Categoria: Sem categoria

Filmão à noite.

Dane-se Netflix, Youtube, mp4/avi/mkv/wma/rmvb, tv a cabo e o escambau. Boa e velha antena, dublagem exagerada, ator mexendo a boca de um jeito impossível pra formar palavras que não conhece.

Propaganda de tempo em tempo, liquidação, caminhonete atravessando atoleiro, cerveja no meio do povo sarado como se fosse regra (ha!) e um monte de porcaria que quero mas não preciso.

Quando volta, aquela legenda amarela no rodapé lembrando o burro aqui o nome do filme, parte 1 e 2 e 3 e 4 e final.

A nostalgia é tamanha que invento de fazer pipoca. No finalzinho do jornal ainda. Pra não perder nada. Steven Seagal, afinal de contas. Não dá pra brincar.

Pirâmide de margarina derretendo na panela, sementinha amarela começa a explodir pro papai, eu mexendo a colher pra distribuir tudo socialmente, tampa na mão pra fechar já. Aí um milho inventa de levantar voo. Certeiro no olho esquerdo.

No hospital, vendo a porcaria do filme com um olho só numa TV chiada e baixa, um tampão fechando o outro. O médico me dispensa com uma receita de colírio. Um moleque ranhento espirra em mim na saída.

Quando entrego o dinheiro na farmácia penso que se dane a nostalgia.

Penso em pipoca de cinema.

E tenho uma ideia.

Disk-pipoca.