O cavaleiro das trevas [#84]

  • 30 de junho de 2014
  • Categoria: Sem categoria

Bruto Wade tinha tudo para ser playboy. Mas seus pais morreram antes que pudessem bajulá-lo a infância inteira.

Saíam do cinema, um filme de aventureiro mascarado, e a caminho do carro foram abordados por um ladrão de quinta categoria. O pai de Bruto tentou acalmá-lo, mas o movimento de sacar a carteira do bolso do paletó foi confundido com um saque de arma, e o revólver disparou. A mãe virou-se para proteger o filho e recebeu outra bala. Bruto observou chocado o homem arrancar o colar de pérolas do pescoço dela antes de se virar e sair correndo, ignorando-o completamente.

Bruto foi criado pelo mordomo da família, Freddo, dispondo da riqueza invejável que os Wade acumularam. Seu pai fora um empresário bilionário e um filantropo admirado, e Bruto herdaria seu dinheiro e fama quando chegasse à maioridade. Mas antes disso devia lidar com o choque daquela perda desastrosa. Sessões intensivas com psicólogos ocuparam boa parte dos anos seguintes. Desenvolveu fobia a armas e um gosto peculiar de se fantasiar como morcego no Halloween. Viajou à maior parte dos países do mundo atrás de diversão em seus anos de juventude, entrando em contato com a emergente indústria de vídeo-games. Criou um herói que protagonizou jogos premiados, um homem astuto e sem poderes, que protegia a cidade com força bruta, inteligência e tecnologia, fantasiado de morcego como ele, derrubando ladrões e assassinos antes que pudessem perpetrar seus malefícios contra civis inocentes.

Mais tarde, vendo sua riqueza multiplicada, Bruto criou institutos para resguardar jovens que perderam os pais para a violência urbana. Desenvolveu programas para auxiliar órfãos nos estudos e iniciar suas carreiras. Criou o Asilo Akram para doentes mentais perigosos, para retirá-los das ruas e mantê-los afastados da população. Por fim comprou todos os cinemas da Cidade Potham, demoliu-os e reconstruiu-os com estações de polícia anexas, estacionamentos e passarelas de acesso às estações de trem e pontos de táxi, se certificando de que nenhum outro garoto passasse pela experiência traumática pela qual passara.

No fim da vida se dedicou a erradicar o crime de Potham. Mesmo com o dinheiro que possuía não foi fácil. Não teve receio de mergulhar na corrupção e comprar ou dobrar os políticos e poderosos da cidade para aprovar leis que beneficiassem a ordem e não afundassem na burocracia sem sentido do jogo político. Bruto não se importava de ver quem não devia engordar os bolsos se as ruas da cidade estivessem limpas. A polícia criou planos de carreira invejados e era reverenciada. O comissário Gondor se tornou seu braço direito nessa luta. Bruto se tornou prefeito, foi reeleito, depois governador, reeleito novamente, e de volta à prefeitura por mais dois mandatos viu seus esforços gerarem frutos longevos.

Passou seu último Halloween com a fantasia de sempre ao lado do retrato dos pais e de Freddo. Pela janela observou um ponto brilhante no céu, um morcego com as asas abertas estampado nas nuvens. Seu personagem, o Morcegomem, se tornara mais popular que o criador. Ele não se importava.


*O Superman também já foi vítima no universo Flash Fiction. Confira AQUI.