O labirinto cíclico [#146]

[...]

- Circular?

- Isso.

- Por quê?

- É um formato, um modo, um vírus, um biosoftware que nos infectou assim que cruzamos os portões.

- Você sabia e mesmo assim nos trouxe aqui?

- Eu não sabia até entrarmos. Só reconheci a estátua na ante-sala, os hieróglifos de uma versão do mito de Cronos nas paredes, o chão de ladrilhos triangulares, fatias encaixadas.

- E agora? Como saímos?

- É um labirinto infinito. Invencível. O vírus apaga ciclicamente nossas memórias, nos transportando de volta ao início, ao momento que entramos. Estamos acabados.

- Deve haver um jeito. Ele é circular, certo? E se chegarmos no centro e começarmos de lá?

- A combinação de caminhos beira o incalculável. Seria necessário um notório trabalho de memorização para alcançar o coração do templo. E é justamente disso que os apóstolos esquecidos nos privaram.

- Não conseguimos chegar no centro antes que as memórias sejam apagadas?

- É mais fácil sentar e esperar a morte.

- Não. Isso não é opção. Ainda tem aquele bloco de notas na mochila? Podemos escrever instruções a nós mesmos. Um guia.

- Tenho. Aqui. Você acha–

- Está vendo? Olhe! Cheio de anotações, da capa à contra-capa. O guia que eu queria, pronto. Sua letra e a minha. Já tivemos essa ideia antes. Maldição! Há quanto tempo estamos aqui?

- Há mais tempo que imaginamos, pelo jeito. O bloco é inútil.

- Estou lendo! Deve haver alguma resposta. Em alguma página, algum canto. Precisamos nos encontrar.

- Guarde isso, jogue fora, tanto faz. Não adianta. Somos reféns da diversão de um deus zombeteiro. Um deus zombeteiro e seu cárcere circular.

- Circular?

- Isso.

- Por quê?

- É um formato, um modo, um vírus, um biosoftware que nos infectou assim que cruzamos os portões.

- Você sabia e mesmo assim nos trouxe aqui?

- Eu não sabia até entrarmos.

[...]