O barão sob o castelo

Mig fez o sinal e ficamos quietos. Pensei que tivéssemos chegado na cripta, mas eu já havia concluído isso antes, mais de uma vez, e o labirinto subterrâneo continuava nos eludindo. Fibá ficou de pé na ponta do corredor pelo qual havíamos acabado de passar, olhando para trás. Fiumara, que carregava o lança-chamas, sentou numa pedra e descansou o maçarico da mangueira nas pernas. Aza paro...

 

A busca onírica de Alberto Carter

A primeira e única vez em que conversou com os sacerdotes Nasht e Kaman-Thah na caverna da flama, Alberto sentia uma coceira incansável nos dedos da mão direita. Contrariando suas recomendações, desceu os setecentos degraus até o Portão do Sono Profundo e adentrou as Terras do Sonhar.

Quando pisou entre os ramos retorcidos das árvores da Floresta Encantada, a mão latejava em carne viva...

 

Da velhice que se escolhe

Batem na porta. Duas, cinco vezes. Esmurram a madeira, os encaixes de ferro ganem e me arrancam da cama, com ou sem sono, o pau balangando, a visão borrada. Abro. Os dois garotos atrás de Roger riem, ele entra e fecha a porta.

Tampe as suas vergonhas, Bulvar, precisamos de você.

O que foi agora, seu filho de uma puta? Algum dos gatos de lorde Duns tá com a unha encravada? Alguma puta eng...

 

« Carregar mais postsPosts mais recentes »