Dos buracos da estrada de chão

O filho no carro. A cabeça no colo do pai. A cabeça do pai virada pra janela, pra fora, o chão atapetado de grama até a árvore, pouco visível, só o farol do carro iluminando a estrada. O tronco grosso, os dois homens de terno e chapéu, e entre os pontapés e bicudas, no chão, outro homem, resfolegando, cuspindo.

A cabeça do filho mexe. O pai faz cafuné. Um dos homens de chapéu se ap...

 

Da redenção que se escolhe

Cinco anos na cadeia. E quem vem me buscar? O Grilo.

Grilo: panaca de quinta categoria que na época em que fui preso era um pela-saco do caralho. Do tipo que você não dá um ano pra espanar, falar bosta, fazer mancada e ser despachado ou apagado. Mas não. Ainda tá no batente. Não levo dois minutos pra sacar que ele não subiu nada na vida dentro da organização, continua burro de carga, ...

 

Faróis esfaqueando a chuva

Rógevaldo, leva essa Brahma lá fora.

Claro, dona Deva.

Róge pega pelo pescoço, o corpo embranquecido. Desvia das mesas do salão do bar e abre a porta de tela. Na varanda, o desconhecido empinando a cadeira nos pés traseiros, pernas cruzadas sobre a amurada de madeira, cigarro enfiado nos dedos do braço caído ao lado do corpo, camisa aberta e o pelo do peito pulando pro alto, calça m...

 

« Carregar mais postsPosts mais recentes »