Dos nomes que damos aos filhos

Doriana odiava seu nome porque era nome de manteiga. Ficava pensando se na época que nasceu já existia a manteiga e se a mãe tirou dali, ou de um filme, ou de um livro, ou de uma amiga ou tia distante, mas nunca perguntou, que fazia parte do mistério de como ela tinha surgido e de como tinha surgido aquilo, o nome, que definia quem você seria e como reagiria a certas coisas. Todo mundo na esc...

 

A balada do óleo de soja

Já tá saindo aí, Márcia?

Já, já, seu Robson. Um minutinho.

Na gordura as minúsculas coxinhas e bolinhas de queijo e quibes e pastéis vão ganhando cor, consistência. O cheiro é sufocante, dane-se a touca e o avental. É coisa que sempre penetra nas grutas da pele.

Todo dia compro um cigarro, um só, na distribuidora perto de casa, e deixo pra fumar entre o encerramento dos pedid...

 

Danoninho não mata a fome

Maicon correu de um lado da cozinha pro outro, escapando das unhas compridas da mãe, passando por baixo da mesa e se enfiando no fundinho entre geladeira e parede. A mãe correu atrás, meteu a mão pelo buraco, unhou o braço do menino de tudo que era jeito. Sangue correu. Na sala, a irmãzinha de dois anos chorava.

Sai daí, seu demônio, sai daí, seu pilantra, sai daí, dizia a mãe, os ol...

 

« Carregar mais postsPosts mais recentes »