Golem de churrascaria [#167]

Fraldinha?, Alcatra?, Picanha?, Cupim?, Contra?, De sol?, Maminha?, Ponta de peito?, Costela?, Filé? e uma fatia gorda pro prato pro garfo pra boca pro estômago.

Você justifica de alguma maneira mirabolante comer três dias em um e forra com queijo, pão com alho, palmito e feijão tropeiro, estufa com carne, joga cerveja pra amaciar, pra deixar o líquido infiltrar aquele bolo compacto que vira tijolo, cimento, pedaço de concreto balançando pra cá e pra lá até o organismo ressaqueado desafiar as leis da química e desintegrá-lo.

Essa alegria coroada com pudim, cafezinho e a conta num pote cheio de balas se transformou em tormento pra mim. Porque o tijolo foi insistente. Não desintegrou, não descascou, não desceu. Ele ganhou vida, se agarrou às paredes do estômago e recusou seu destino. Este pequeno golem celebrou a vitória da carne morta sobre a viva esmurrando uma saída. Às cinco da manhã, exatas 16 horas após meu contentamento na churrascaria, eu me encontrava largado no piso do banheiro sob a água gotejante, pelado e tremendo.

O golem me explodiu feito o alien, amarrou o intestino no osso e içou seu corpo deformado pra fora. Entrei em choque mas ele cuidou de mim, costurou o estrago, me puxou pra cama, pingou anti-inflamatório e analgésico na minha língua e cantou. A música versava sobre abates, remédios, rações, frigoríficos, espetos, sal grosso, pastos verdejantes que não passavam de ilusões calculadas do paraíso. Exagerei no queijo coalho e ele saiu moreno claro, a cabeça branca pura gordura de picanha.

O golem me acompanhou até o fim. Nunca mais comi carne. Vegetariano radical, fui forçado a sorrir enquanto mastigava uma sem graceira de folhas amargas e batatas insossas. Fui torturado com documentários em loop sobre os maus-tratos aos animais na indústria alimentícia. Tudo que pedi no dia da minha morte foi um coraçãozinho de galinha, um único e maldito coraçãozinho, e nem isso ele foi capaz de me dar, meu odioso e fiel golem, meu tamagotchi e mentor, meu filho amado.


*Os monstros têm lugar cativo no universo Flash Fiction. Conheça outras aberrações que já deram as caras por aqui:
-Herança inesperada [Trilogia Terror - capítulo 1]
-O monstro no sótão
-Batata frita
-Bonihkomara
-Homúnculo
-Debaixo da cama
-Alvariomano